Episódio #44: Akira

Episódio #44: Akira
Resenha

 
 
00:00 / 1:26:22
 
1X
 

Fala pessoal, sejam bem vindos a mais um episódio do Gasha, e dessa vez falaremos sobre umas maiores obras de ficção, Akira, um filme clássico que serviu como introdução ao mundo dos animes para grande parte dos Brasileiros que viveram aquela época. Junte-se a Spoilerking e Renato que com seus convidados especiais discutem essa obra prima japonesa.

Akira – Sinopse

Japão 1988. Uma explosão em Tokyo causada por um garoto com poderes psíquicos deflagra a terceira guerra mundial, varrendo a cidade do mapa no processo. Para evitar mais destruição, o garoto é capturado e levado em custódia e desde então, nunca mais se ouviu falar dele. Agora no ano de 2019, em Neo-tokyo, cidade distópica construída a partir das ruínas da velha Tokyo, ataques de gangues e atentados terroristas contra o atual governo se tornaram algo banal.

Opa, Akira, Tetsuo, quem será esse cara de capa
Ops… personagem errado

O filme conta a história de Kaneda, líder de uma gangue de motociclistas conhecida como Os Cápsulas, e seu amigo Tetsuo, que em um acidente se vê no meio de um experimento com poderes psíquicos.

Informações Técnicas

  • Tipo: Filme
  • Estreia: 16 de julho de 1988 (31 anos)
  • Estúdio: Tokyo Movie Shinsha (Detective Conan e Lupin III)
  • Produtores: Mainichi Broadcasting System (Shingeki no kyojin e FMA Brotherhood), Kodansha (Parasyte e Monogatari Series), Toho (Kimi no na wa, your name)
  • Gênero(s): Ação, Aventura, Militar, Sci-Fi, Horror, Sobrenatural, Cyberpunk, Seinen
  • Fonte: Manga
    • Escritor/Ilustrador: Katsuhiro Otomo
    • Revistas: Young Magazine (jp / semanal) /  editora globo, JBC (br)
    • Publico alvo: Seinen
    • Data de publicação: 06/12/1982 até 11/06/1990
    • Volumes: 06
    • Capítulos: 120 / 31
  • Direção: Katsuhiro Otomo
  • Roteiro: Katsuhiro Otomo / Izo Hashimoto

Disponibilidade

Por se tratar de um clássico, podemos encontrar o filme Akira em uma série de serviços, tanto por meio de assinatura quanto para comprar em lojas digitais. Escolha uma opção abaixo e (re)veja essa incrível animação.

Você conhece o grupo dos ouvintes?

Você sabia que o Gasha tem um grupo dos ouvintes no Telegram, acessa lá, só tem fera, tem até grupo de RPG da galera. Para entrar é só clicar no botão aqui embaixo…

Yusuke - Persona 4

Conhece nossa Playlist???

Temos uma playlist especial no Spotify, cheia de músicas da LiZA selecionadas com carinho pelo Otaking, chega mais…

Pra finalizar…

Que tal entrar em contato com a gente? Vai lá, manda uma mensagem que a gente lê no programa.

https://gasha.com.br/contato/
Yare Yare Daze…

4 comentários em “Episódio #44: Akira”

  1. Bom dia, queridos compatriotas

    Novamente, muitíssimo obrigado, querido compatriota Renatão… Deu uma força massa quando perguntei sobre a Vram e a frequência da ram… Cabei pegando a RTX 2070 (8 de Vram), (tá custando absurdos, mas, foi o jeito) e 16 (2×8) de ram à 2666 mhz… Muitíssimo valeu, rapaz s2

    Então… Akira foi um filme q vi na primeira vez quando eu era muito novo, por isso não tive muito essas “sacadas” das críticas e talz… Quando esse filme acabou eu tava olhando pra tv me perguntando “o que foi isso q eu acabei de ver?”… Eu não entendi o filme o suficiente, mas achei muito foda.

    Eu tinha una 9 anos quando vi esse filme e as coisas mais violentas q eu já tinha visto era cdz, dbz… Quando eu vi aquela cena da mina sendo esmagada… Pqp… Eu nunca mais esqueci aquela cena, foi desesperador… Esse foi um marco na minha vida. Como o dia em que fui ver “9 – A salvação” (recomendo, filme muito bom), foi o primeiro filme q eu vi em um cinema, q era mais sério e talz… Tipo uma porta q se abriu e eu vi q existia esse tipo de obra…
    O primo que me mostrou Akira, foi o mesmo q me mostrou, berserk, Violence Jake (gosto pra caralho), yu yu hakusho, samurai x… RBD (é novela mexicana hehehehe)… Formei muito do meu gosto através da influência dele. Tudo com o pontapé inicial do Akira…
    Eu vi o Akira só umas 2x até hj, quando eu tinha meus 9 anos e lá pros 14… Eu não lembrava várias coisas q vcs comentaram, pretendo rever ele, um dia desses ainda, pra dar uma nova olhada nessa obra, tlvz até pegar o manga…

    Sobre oq o Arthur disse de obras japonesas americanizadas q ganham força por ser mais “abrangente”, eu acho isso muito triste, quando eu vou ver um anime eu quero ver uma obra japonesa, não uma que tenta ser uma americana, isso me deixa muito triste, muitos animes e mangas tentam se distanciar e tenta ficar o mais ocidental possível… Pegar algumas referências, ou uma ou outra inspiração, sem perder a origem é ok, é saudável… Como o boku no hero faz muito bem… Pegando heróis bem mais parecidos com heróis americanos, mas, ainda tem um peso gigante de anime, ai sim eu concordo com isso… Eles não tentando fazer uma obra americana, eles estão fazendo uma obra totalmente japonesa com alguns elementos que são americanos (super heróis).

    Aconteceu o mesmo com os jogos de terror japonêses, onde tinham histórias pesadas pra caralho, com monstros totalmente bizarros e simplesmente nego fala “rapaz… Tem que fazer mais dinheiro com isso ai… Tem q fazer mais ação, pessoal do ocidente gosta de tiroteio, ação, sangue voando e os caralho, é isso que eles querem”. Hoje em dia é absurdamente difícil de ver um jogo de terror japonês como os antigos, fatal frame, silent hill, rule of rose… Daqui a pouco, eu não duvido que muito dos animes façam a mesma coisa.

    Esse é um dos motivos de eu estar gostando tanto do Sarazanmai tbm… Tá japonês x2 rapaz… Essa é uma obra q eu sinto q estou vendo um desenho japonês, o anime tá muito bom, recomendo pra quem não pegou.

    Boa noite e boa sorte, queridos compatriotas…
    {Se tiver mais erro de Português q o normal, perdoai… Tô na loucura aqui hehehe}

  2. Gostei do cast, mas vou dar uma de advogado do diabo 🙂

    Filmes sobre animes/mangás/LN mais próximos a obra original, infelizmente, só veremos em live action japoneses, como por exemplo: Samurai X, Bleach, Full Metal Alchemist e afins. As versões americanas das mesmas obras vão fugir do original, é só comparar o que aconteceu em outras obras como os filmes de O Chamado, Old Boy e afins.

    Os motivos são muitos, mas deixa enumerar aqueles que acho principais:

    O público alvo destas adaptações é mais amplo, e as obras são feitas levando isso em conta, por isso teremos adequações de elenco, mudanças de lugares e cortes/mudanças pesadas na história. Os estúdios não querem agradar a fanbase da obra original, eles querem que o filme agrade o grande público. Executivos e diretores tem está visão mais ampla quando fazem a adaptação.

    *As diferenças de mídia. A mudança de LN para Mangá e Anime já divide a base de fãs. A estranheza só aumenta quando saímos de animação para live action. É só olhar os live actions japoneses, falem se tem algum que agradou a maioria.

    Finalmente, o Arthur é muito mimizento com tudo, hahahahahahahahah, mas este é um comentário pessoal.

  3. Pessoal, episodio magnifico. Akira eh demais e voces fizeram um program muito a altura dele. Fiquei curioso pra ler o manga que acredito ter uma arte muito incrivel, alem da historia diferente que ouvi o Hermes comentar. Continuem esse trabalho fenomenal e surpreendendo a gente com participacoes de integrantes do grupo do Telegram e especialistas como o pessoal do Otaminas!

    Me desculpe a falta de acentuacao, estou no trabalho e o teclado ‘e internacional e nao pode ser configurado pra portugues por restricoes da empresa.

    P.S.: Arthur deixou de responder os comentarios do site? Estamos de olho!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas